nma-16429.blogspot.pt é o meu novo blog. Seleccionem o link correspondente na coluna da direita e visitem-me!

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Cancioneiro do Niassa!

FADO A METANGULA
Tens belas ruas, tens avenidas, 
Tens tantas coisas, que nos são queridas 
Tens aeroporto, tens aviões 
Tens bom cinema, tens diversões 

Recentemente já rádio há 
Nem há paisagem como a de cá 
Tens pôr-do-sol visto de graça 
És a mais linda deste Niassa 

Ó Metangula 
És afinal 
Grande "cidade" de Portugal 
Tens tantas coisas 
Boas e belas
Que nós ficamos 
Loucos com elas 

Ó Metangula 
Tu tens razão 
Já só te falta , 
Televisão,

Vais dentro em pouco
Ser das primeiras
Mas só não tens é
Mulheres solteiras.

8 comentários:

  1. No meu tempo tinha ruas,
    Mss não tinha avenidas,
    Também não tinha catatuas?
    Tinha mulheres atrevidas?

    Rádio ainda não tinha,
    Mas tinha linda paisagem,
    Até muitas graças tinha,
    E por do sol como miragem.

    Era a mais linda do Niassa?
    Foi para muitos uma passagem,
    Também foi em tempos amiassa,
    E para outros foi pilhagem?

    Metangula era afinal,
    Tinha muitas coisa boas!
    Uma beleza bem natural,
    E barcos de velas nas proas.

    O autor dos versos imaginava!
    Metangula uma grande cidade,
    Só lhe faltava televisão,sonhava!
    E até tinha muita qualidade?

    Tinha muitas coisas boas,
    E seria das primeiras,
    Mas só não tinha era?
    Mulheres solteiras.

    ResponderEliminar
  2. Olá Carlos!
    Afinal o Tintinaine tambem é poeta.
    Eu não conhecia esta letra no dito
    "Cancioneiro do Niassa".Conheço sim, uma outra quase termina assim:
    ...Adeus Metangula, Adeus tradição,
    Já vou p!ra cidade , até me dá
    vontade, de me atirar p!ro chão...
    Parabens e um gr. Abraço.
    MFA

    ResponderEliminar
  3. Também:
    Adeus Metangula.
    Só aqui há massa
    A fome é Maningue
    No Lago Niassa

    No Lago Niassa.
    Isto está bem mau,
    Só aqui há massa
    E arroz de Chaw Chaw

    Arroz de Chaw Chaw
    Isto é um queixume
    Queremos fumar
    E não temos lume

    E não temos lume
    Isto é um agueiro
    Nem temos fosforos
    Nem pedra p´ró Isqueiro.

    Mesmo que mais limitações houvessem, tudo o que envolvia Metangula beijada a seus pés pelo Lago Niassa e o Monte Tchifulli tornaram-na inesquecivel por todos que por lá passaram e são muitos os que a amam.
    Obrigada Mãe Natureza por esta pérola maravilhosa.
    Não esquecendo o maravilhoso e líndissimo por do Sol sobre o Lago.
    Tenho-te e vou partir contigo no mei coração

    ResponderEliminar
  4. Olá Moisés!
    Infelizmente a minha Musa não me inspira o suficiente para criar uma coisa destas.
    A letra faz parte do Cancioneiro do Niassa e chama-se «Fado de Metangula».
    Aquela a que te referes chama-se «Fado da Despedida».

    ResponderEliminar
  5. Seja «FADO de METANGULA» ou «FADO da DESPEDIDA» a todos nós que por lá passámos nos toca profundamente, mesmo na ausência da guitarra e viola!
    Quem me dera lá voltar e ir para a sanzala dançar ao toque dos tambores!

    ResponderEliminar
  6. Ao toque dos tampores dançar
    Danças mesmo aqui em portugal
    Gostarias de Metangula abraçar
    Que ninguém lhe deseje o mal.

    Reivindicar seus direitos
    E para a riqueza contribir
    Queixumes de preconceitos
    Nossos direitos tentam impedir.

    Tanto eles como nós
    Todos temos nossa razão
    O Niassa tem sua vós
    E tomos temos coração.

    ResponderEliminar
  7. Amigo e Poeta EDUARDO,aqui no «PUTO» a música é outra! Além disso aqui, tiram-nos a vontade de dançar e a lei da vida tirou-me já 42 aninhos mas espero que me acrescente mais 42, para dançar como o nosso cineasta MANOEL de OLIVEIRA!

    ResponderEliminar
  8. Amigo António Páscoa!
    A lei 42 aninhos te tirou,
    Ainda há muita coisa boa,
    Que no teu coração ficou?

    Se aqui a musica é outra,
    No "puto", como o dizes,
    Essa de poeta não entra!
    Mas respeito o que dizes.

    ResponderEliminar