nma-16429.blogspot.pt é o meu novo blog. Seleccionem o link correspondente na coluna da direita e visitem-me!

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Ao Grande Filho da Escola Rafael!


Nota: Em resposta ao nosso camarada de armas – Rafael - obrigo-me mais uma vez a confirmar que o homem tem um talento digno de louvor, onde no seu blogue “ECOS DE VILA FLOR” - http://azuos-leafar.blogspot.com/ - dedica umas quadras ao Timoneiro Carlos, Poeta Verde e a mim; às quais quero ripostar com quadras também, pelo menos por esta vez, tentando aproximar-me humildemente deste talentoso senhor.



Rafael:

Depois de 44 anos sem dar sinais de vida

Se residia em Portugal ou no estrangeiro

Conseguiu-se descobrir o seu paradeiro

O Canadá fora a nação por ele escolhida

Leiria:

Ao fim dos 44 anos o homem apareceu

O seu paradeiro é de todos conhecido

Como imigrante o mundo vai sendo seu

Sendo o Canada o seu 2º país querido

Rafael:
Consta-se que é um emigrante empresário

Neste país é um senhor e soube triunfar

A aventura da saída e de muito trabalhar

Conseguiu melhor vida, paz e mais salário


Leiria:

Fez de tudo e de empresário também

De certa forma sucessos foram conseguidos

Com dificuldades, mas na certeza porém

O que mais interessa são os bem-queridos


Rafael:

O Leiria recusou-se continuar na Armada

Onde podia atingir boa patente militar

Tinha cultura suficiente e física apurada


Com estas condições obstáculos não teria

Mas o vencedor vence em qualquer lugar

Como fez o filho da Escola-Artur (Leiria)

Leiria:

A Armada é uma opção de orgulho e brilho

Para aqueles que optam seguir tal carreira

Muitos se arrependerão de não seguirem tal trilho



Nada no mundo se consegue de mão-beijada

Obstáculos são pertences duma vida inteira

No fundo o que importa, é alegria abastada

Leiria
Sabemos que fostes, és e serás sempre,

Um camarada talentoso e à maneira!

Como outrora, há que caminhar para frente;

Galhardo, vistoso e com ímpeto de valente!
Manter as recordações duma estirpe de primeira.

1 comentário:

  1. Dois poetas desconhecidos, mas que podem muito bem vir a deixar de o ser.

    ResponderEliminar